Vou contar uma pequena história. Quando tinha dezesseis anos fui trabalhar como voluntária em um acampamento cristão, passei um mês lavando louça, tirando papel de cesta de lixos e varrendo o refeitório. Passei dias servindo mesas, distribuindo sorrisos e convivendo com pessoas que estavam vivenciando uma experiência diferente pela primeira vez em suas vidas. Eu não sabia quem eram elas e quais histórias traziam dentro de si, mas eu sabia de onde elas vinham. Eram crianças de 8 a 12 anos tiradas da favela e levadas para passar dias totalmente fora da sua realidade. Foram durantes esses dias que percebi o quanto eu era egoísta,Read More →

Depois de ler as poucas histórias postadas no site da AEUM decidi hoje parar de reclamar de coisas como: Meu chuveiro temperamental que esquenta muito nos dias de calor e esfria nos dias frios, eu tenho um chuveiro, muitas pessoas não. De olhar para meu armário e geladeira abarrotada de porcarias e dizer que não tem nada de interessante para comer, eu tenho o que comer muitas pessoas não. De abrir o guarda-roupa que não tem mais espaço para nada e pensar que não tenho nada bonito pra vestir, eu tenho o que vestir muitas pessoas não. De ir dormir e reclamar que o colchãoRead More →