A voz melosa de Adele soava pelas caixas de som quando ele chegou. Perdida nos acordes de Set Fire to the rain, terminava de fazer o jantar, não esperava que ele chegasse tão cedo. Estava com suas roupas embaladas da lavanderia numa das mãos e a mochila do laptop em outra. Descalça na pequena cozinha me virei para encarar seus olhos azuis penetrantes que faziam minha espinha gelar, fazia poucas semanas que estávamos juntos e eu ainda não tinha acostumado com as sensações que ele despertava no meu corpo só com seu olhar. – Oi, ele disse baixinho enquanto abri espaço para ele na cozinha.Read More →

Sentou em frente à janela, pensativa pegou o moleskine e sua caneta preferida. Fazia tempo que queria escrever, sentia que devia uma explicação ou porque não um pedido de desculpas. Não deu certo simplesmente porque não tinha que dar. Não deu certo porque como dois estranhos andando cada um na sua estrada se encontraram de repente num lugar comum e era tanta afinidade e tanta sintonia que se era para ser bom, se tornou pesado e não era mais bom. Sem comparar, entristecer, tentar mudar ou poder entender, não deu certo. Entregava-se aos dias de sol, as camisas de bandas e a barras de chocolates.Read More →

Completaria 29 anos naquele ano e vinha pensando no assunto faz tempo. De repente muita coisa deixou de fazer sentido e passou a ser chato, por exemplo, viver sozinha. “É muito solteiro apaixonado e muito casal fingindo que se ama” defendia ela fielmente nas conversas na mesa do bar com os amigos, até que um dia como num estalo enquanto preparava uma caneca de café fumegante que percebeu que não era mais nada disso. Desejava voltar a ser a garotinha dos cabelos compridos que tomava chuva sem se preocupar com nada, que andava de bicicleta imaginando que estava explorando uma nova cidade, que dançava baléRead More →