Completaria 29 anos naquele ano e vinha pensando no assunto faz tempo. De repente muita coisa deixou de fazer sentido e passou a ser chato, por exemplo, viver sozinha. “É muito solteiro apaixonado e muito casal fingindo que se ama” defendia ela fielmente nas conversas na mesa do bar com os amigos, até que um dia como num estalo enquanto preparava uma caneca de café fumegante que percebeu que não era mais nada disso. Desejava voltar a ser a garotinha dos cabelos compridos que tomava chuva sem se preocupar com nada, que andava de bicicleta imaginando que estava explorando uma nova cidade, que dançava baléRead More →

Essa semana uma amiga muito querida me fez chorar no meio da rua. @quelaltoe compartilhou um texto que encontrou no facebook que segundo ela tinha um “que” de pollymariah. Não consegui ler até o final logo na primeira vez porque no auge da tpm tava chorando até assistindo filme de terror, mas, respirei fundo e li tudinho e tive que concordar com ela, o texto tem várias devaneios que já escrevi por aqui. Não sei quem é o autor, não consegui descobri muita coisa, mas, resolvi compartilhar ele por aqui. Primeiro porque ele faz parte da série dos textos que queria ter escrito e segundoRead More →

De maneira despretensiosa me perguntaram hoje porque eu insistia em sustentar com tanta certeza de que ser sozinha é ser feliz. A verdade é que eu sempre disse que seria mais feliz sozinha. Teria minha vida, minha rotina, uma profissão que amo, amigos mais chegados que irmãos, irmãs, sobrinhos, os melhores pais do mundo, mas ter alguém na minha vida o tempo todo? Não, eu jamais teria. Seria definitivamente mais problemas do que necessário. Um dia conheci alguém que me fez mudar de idéia. Alguém com quem compartilhei planos. Alguém para quem eu entreguei absolutamente todos os meus medos, meus sonhos, meu coração. Sabe oRead More →