Meu nome é Mariana Cordoba. Até meus dezesseis anos, costumava ser André Santos. Meus amigos me chamavam de Dé, desde bem pequeno. Não sei direito quando tudo isso aconteceu. Vou contar a última coisa que me lembro do mundo de antes. Descobri que meu namorado estava ficando com várias “garotas “ por aí. Meninas siliconadas, de longos apliques nos cabelos e unhas vermelhas. Me senti tão arrasada. Peguei ele no corredor, flertando com a vizinha do 315. Corri pelos corredores do bloco D enlouquecidamente.  Moro no 918B e lá me tranquei me entupindo de calmantes, drogas e cigarros e sempre pensando em cortar os pulsos.Read More →

Odiava os dias de Setembro não apenas por ser seu inferno astral. Setembro era mais que isso. Era seu maior pavor. O mês nove do calendário era mais temido que a fatura do seu cartão de crédito. Em setembro viveu as coisas mais lindas da sua vida e as mais aterrorizantes também. Foi em uma manhã de setembro que deu bom dia a quem um dia foi à única pessoa que pode dizer que amou. Também  foi neste mês que essa mesma pessoa lhe roubou um beijou e todo seu juízo. Em Setembro mudou de emprego, em Setembro mudou de cidade, em Setembro disse umRead More →

Sabe aquela velha pergunta que vira e mexe ecoa na sua mente: Qual é o meu problema? Ou aquela: Porque não eu? Cansei de procurar respostas para elas, na verdade, cansei de procurar resposta correta para um monte de perguntas que ecoam na minha cabeça. Não que tenha desistido, pelo contrário, entendi que não existe resposta correta para um milhão de perguntas e que ficar tentando encontrar algo plausível para justificar porque algumas coisas acontecem para os outros menos para você é pura perca de tempo. Aliás, tempo. Essa é a palavra que melhor define porque não é você e até mesmo o seu problema.Read More →