Odiava os dias de Setembro não apenas por ser seu inferno astral. Setembro era mais que isso. Era seu maior pavor. O mês nove do calendário era mais temido que a fatura do seu cartão de crédito. Em setembro viveu as coisas mais lindas da sua vida e as mais aterrorizantes também. Foi em uma manhã de setembro que deu bom dia a quem um dia foi à única pessoa que pode dizer que amou. Também  foi neste mês que essa mesma pessoa lhe roubou um beijou e todo seu juízo. Em Setembro mudou de emprego, em Setembro mudou de cidade, em Setembro disse umRead More →

Passou o dia todo a sós com seus pensamentos. Vagou pelo corredor do seu pequeno apartamento querendo acostumar novamente com a ideia de que de a solidão poderia ser sua melhor amiga. Por um tempo foi. Não mais. Estar só era algo que aprendeu a apreciar bastante até descobrir – também sozinha – que seus dias em paz com a solidão estavam perto de acabar. Sua vida de solteira já não está fazendo tanto sentido. Nada é eterno, nem mesmo a companhia que começava a desejar, sabia disso. Apenas passou a desejar alguém que pudesse acordá-la com um abraço e fizesse seu dia mais feliz.Read More →

O mundo visto da janela do meu apê é uma explosão de histórias. Sensação de que janelas de dentro se abrem para uma nova galáxia pronta para ser explorada, cada janelinha que enxergo sentada da minha mesa é como um céu estrelado de gente com boas (ou não) histórias. Vidros, muitas vezes fechados, escondem imagens tão possivelmente belas quanto assustadoras. Quatro meses olhando por essa janela que me sinto até intima dos moradores do prédio à frente. Tudo que vejo é o cotidiano da vida. É a harmonia oscilante da dura realidade, ao doce da imaginação que brota aqui de meu lugar. A marcha deRead More →